O GLÓRIA

Origem do nome

Origem do nome

O bairro era habitado basicamente por germânicos, tem perpetuado, através de descendentes, seus costumes e tradições. Todos trabalhavam com a lavoura, principalmente na agricultura de subsistência.Segundo um dos antigos moradores, Felipe Baumer, o bairro Glória recebeu esta denominação em razão da fundação, em 9 de julho de 1928, do Glória Futebol Clube, ficando conhecido como o Bairro do Glória. Outra moradora da época, Silvia Zimath, freqüentou a primeira escola pública do bairro na casa de Ricardo Bibow (hoje Paróquia Cristo Redentor) e teve aulas com a professora pioneira Arfisa Balsini. Outros, porém, estudaram na Lauer Schule, localizada nas proximidades do atual Hotel Tannenhof, e o percurso era feito a pé. Com o crescimento do bairro surgiram necessidades de melhor infraestrutura.

No início do século (1909) chegava a energia elétrica, antiga reivindicação dos moradores que utilizavam lampiões a querosene e baterias. A água era tirada de poços ou de uma fonte de água em um morro, afirmou Silvia Zimath. Pela existência de uma fonte no morro, a água era puxada através de uma rede para uma caixa dágua instalada na casa e retirada por uma bomba manual. Por volta de 1961 o bairro foi beneficiado com água encanada, porém nem todos os moradores se utilizaram da mesma imediatamente.

Na região todos trabalhavam com a lavoura, mesmo que só como agricultura de subsistência, além de possuírem criações de vacas, porcos e galinhas. Por meados da década de 30/40, o bairro tinha um comércio bastante próspero por estar numa posição de entreposto entre o Bairro Vila Nova e o centro da cidade. Essa interligação que havia entre os mesmos possibilitou uma maior diversificação e desenvolvimento do comércio local. Nele estava instalado o açougue de Bruno Nessler, o alfaiate Otto Sperling (hoje é o Bar Barbante), o sapateiro Krüger, a olaria de Ricardo Bibow, o comércio de secos e molhados de Felipe Baumer, além do Matadouro Municipal (hoje, no local está uma pizzaria, na Expoville). O matadouro foi inaugurado em 1928, na gestão do prefeito Ulysses Gerson Alves da Costa. O mesmo chegava a abater 40 cabeças de gado por dia, além de outros animais. Seu fechamento ocorreu na década de 50 e a demolição do prédio ocorreu em 1972.

Muitos bailes

Muitos bailes

Na década de 30 começou a circular ônibus no bairro. Fazia a linha do Município de Joinville ao de Jaraguá do Sul. Este ônibus, relata Renato Otacilio Seiler, era pequeno e conhecido como Andorinha, sendo que o bagageiro do mesmo ficava sobre o teto. Um dos divertimentos mais comum era os bailes, os quais aconteciam quatro vezes ao ano em datas comemorativas (Páscoa, Natal, Espírito Santo e Ano Novo). Começavam cedo e seguiam até o dia seguinte, às 6 horas. Nos salões, havia completo serviço de bar e cozinha. No Bairro Glória, os moradores freqüentavam o Salão Petruski, local em que ocorria, em período de eleições, os maiores comicios, que quase sempre acabavam em bailes; a antiga Sociedade XV de Novembro, conhecida também pelos campeonatos de tiro ao alvo, defronte ao Glória Futebol Clube. Além desses salões, os moradores do Glória participavam dos bailes no Salão Pensky e Baumer, no Bairro Vila Nova.

Passagem de colonos

Passagem de colonos

Passagem de colonos

A Rua 15 de Novembro, no início da colonização, recebeu o nome Mittelweg (Caminho do Meio), a partir da atual Rua Dr. João Colin a altura da atual Rua Marechal Hermes (hoje Posto 15). Deste trecho para frente não fazia o mesmo trajeto atual, ia até hoje a Rua Marechal Hermes que era conhecida como Schzerstrasse (Rua dos Suíços), e esta por sua vez ligava o Bairro Glória ao Bairro Vila Nova através da Estrada Anaburgo. A Rua 15 de Novembro tornou se uma das principais vias de acesso Bairro Vila Nova, de onde os colonos traziam seus produtos para der na cidade. Atualmente serve como uma das vias de acesso à BR 101. Também abriga o Pórtico de Joinville e os pavilhões da Expoville e atualmente o Megacentro Wittch Freitag, onde acontecem grandes eventos, manifestações culturais e tradicionais festas populares.

A Lei nº 1376 artigo 16, de 12 de janeiro de 1990 delimitou o bairro.

O Glória em números

O Glória em números

Área: 5,37 km2
Distância do Centro: 2,78 km
Criação do Bairro: Lei nº 1.526, de 5 de julho de 1977
População 2014: 11.115 habitantes
Densidade demográfica: 2.070 hab./ km2
Rendimento Médio Mensal em Salários Mínimos: 4,22 sm/mês.
Unidade Administrativa: Subprefeitura da Região Centro-Norte

MEIO AMBIENTE INFRA-ESTRUTURA
Relevo:
Morro no final da rua Otto Berner
Morro da rua Tiriva;
Parques/praças
Área de Lazer Parque Versailles;
Praça Bernardo Ziemer;
Praça Felipe Baumer;
Praça General Osório
Unidade de planejamento e gestão dos recursos hídricos:
Bacia hidrográfica do rio Cachoeira;
Bacia hidrográfica do rio Piraí.

ASSOCIAÇÕES DE MORADORES

Galeria de Imagens